Agenda

Exposição "Algum" - Individual de Rodrigo Bivar

Galeria Simões de Assis - Rua sarandi 113 A jardins - SP

Exposição "Algum" - Individual de Rodrigo Bivar

Curador da mostra, Chris Sharp escreve sobre o trabalho do artista Rodrigo Bivar

Como todos sabem, poucos artistas, especialmente pintores, têm permissão para transformar totalmente suas práticas. Para algumas pessoas, esse ato é visto como uma traição, para outras, um sinal de fraqueza, falta de clareza ou inconsistência fundamental. Historicamente, certas pessoas são conhecidas por levar esse tema a extremos quase inacreditáveis. O compositor experimental Morton Feldman, um amigo próximo de Philip Guston, parou de falar com Guston quando ele voltou à pintura figurativa. Essa é uma nota de rodapé histórica que agora parece categoricamente ridícula e incompreensível, mas ainda havia muito dogma no ar naquele momento.

Neste ponto, tendo percorrido uma variedade de modos figurativos e abstratos de pintura, a disposição de Bivar para transformar é parte integrante do que ele faz. Em oposição ao preconceito popular, acredito que essa qualidade multifacetada, em última análise, atesta sua consistência, clareza e coragem como artista.

Ao contrário de tantos pintores que ficam paralisados fazendo exatamente o mesmo tipo de trabalho para evitar o destino infeliz de Guston, Bivar possui a rara coragem de fazer mudanças radicais em sua abordagem quando não está satisfeito com o que está fazendo. Essa insatisfação é tão existencial quanto artística.

Em relação à sua última transformação, Bivar foi compelido a deixar a abstração em favor da figuração porque, na atual pandemia de coronavírus, ele sentiu que as coisas estavam “derretendo” bem na sua frente. Como tal, ele foi consumido por uma repentina urgência de pintar tudo o que viu, "tudo o que estava ao alcance e poderia ser nomeado". Quem não consegue se identificar com isso? Com essa mudança repentina de consciência, marcada tanto pela incerteza quanto pela urgência? Quem não consegue se identificar com a consciência repentina e avassaladora da vida cotidiana? Do nosso entorno imediato? Ou mesmo os menores detalhes assumindo um senso de importância desproporcional?

Minha namorada e eu damos um pequeno passeio perto de nossa casa em Los Angeles todos os dias, uma rota cujos detalhes eu vim a conhecer com clareza sobrenatural. Por exemplo, eu sei quando uma determinada série de arbustos foi aparada, ou o progresso quase exato de um canteiro de obras próximo, se o cachorro de um vizinho está do lado de fora, assim por diante. Por força da exposição repetitiva absoluta, cada mudança, não importa o quão insignificante seja, assume uma conspicuidade monumental para mim. E, de certa forma, passei a apreciar esses marcadores de certeza e quaisquer mudanças que venham a sofrer, nem que seja para lembrar que a vida continua.

A obra mais recente de Rodrigo Bivar parece ser animada por um princípio semelhante, uma espécie de gratidão. Claro, eu nunca iria reduzi-la a metáforas para esta experiência, mas acredito que o recurso tenha seu valor. Também não chegaria ao ponto de dizer que a mudança pela qual o trabalho de Bivar está passando é radical. Na verdade, eu me pergunto se é seguro dizer que este último corpo de trabalho não é uma destilação de tudo o que veio antes dele. Afinal, trata-se, em muitos casos, de grandes campos de cores, que não são representados pelo desenho, mas pela aplicação direta de tinta. Desta forma, o que Rodrigo Bivar está fazendo agora não significa um intervalo ou uma ruptura com o que veio antes, mas sim uma continuação.

 

Chris Sharp 

Serviço
Galeria Simões de Assis São Paulo
Exposição: Algum 
Período: 04/02 a 20/03/21
rua sarandi 113 A jardins - SP
segunda a sexta, 10h às 19h
sábado, 10h às 15h
aberto com hora marcada