Artistas

Rogério Pinto

Minha produção é desenvolvida através de dois procedimentos: uma busca pessoal por imagens clássicas na internet e uma pesquisa experimental de suportes e materiais na pintura. Estas fotografias são inicialmente selecionadas de um banco de imagens que realizo em meu computador na busca de selecionar personagens ou personas que vivem dentro de um imaginário povoado por histórias que já se perderam ou que se apresentam potencialmente para ressignificações.

Geralmente faço uma montagem com uma ou mais fotos compondo uma nova imagem na intenção de construir quebras de narravas pré-estabelecidas. Essas novas imagens são impressas diretamente na tela por sublimação e a parr daí começa o processo da pintura. este processo a pintura atua mais como um destruidor de imagens do que finalizador. Com o uso de pinceladas fluidas, raspagens, sobreposições, aguadas e empastes, a pintura da corpo a uma terceira imagem que tem a impressão inicial apenas como um rastro. Porém a presença da impressão diretamente no suporte faz uma carga de imagem técnica connuar na visualidade final da obra que, intencionalmente, se configura pertencente aos dois processos de reprodução de imagens, manual e mecânico.

Junto a esse processo também invesgo como a diversificação de suporte e materiais na pintura acrescentam à imagem materialidade e temporalidade. Tela de algodão, tecido de poliéster, madeira e papel, cada um desses suportes transmitem sensações diferentes. Enquanto a tela convencional acrescenta uma formalidade acadêmica, o tecido poliéster cru e fora do chassi traz consigo leveza e transparência.

Na construção de narravas improváveis, com personagens deslocados de seus universos de significações, opero na pintura, entre pinceladas e suportes, acréscimos de diversas matérias e materiais. É o caso dos recentes experimentos que venho desenvolvendo com gesso Crê, anga preparação de tela para pintura, ou colagens de tecidos felpudos ao lado do retrato de um homem barbudo. Desenvolvo minha pesquisa sempre buscando misturar e ressignificar imagens, matérias e processos pláscos, para assim construir um universo de imagens parculares, comuns e desconhecidas ao mesmo tempo.

Obras do artista