Artistas

Kishio Suga

Kishio Suga é um dos artistas mais celebrados do Japão, cuja produção diversificada e influente vai de instalações site-specific à assemblage e à performance.

Sua carreira se iniciou em 1968, quando ele começou a criar instalações efêmeras a partir de materiais como madeira, metal, arame e concreto. Ele teve um reconhecimento rápido por trabalhos como Parallel Strata [Estratos Paralelos] (1969), um invólucro retangular construído com placas de parafina. Ao introduzir no espaço da galeria uma estrutura incôngrua, embora bem definida, de material bruto, ele buscava revelar a realidade das mono (coisas/materiais) e a jōkyō (situação) que as mantém unidas.  Com essas instalações e com escritos influentes como The Start of Disappearance: As Things Deny Things  [O começo do desaparecimento: Enquanto as coisas negam as coisas] e Existence Beyond Condition [A existência além da condição] (1970), Suga foi identificado como um teórico importante dentro de um grupo disperso de artistas com pensamento semelhante, que mais tarde veio a ser conhecido como Mono-ha (Escola das Coisas). Embora curto, esse movimento foi um importante ponto de virada na história da arte japonesa do pós-guerra, espelhando o desenvolvimento concomitante da Land Art, da Arte Povera e do movimento Supports/Surfaces nos Estados Unidos e na Europa, mas fundamentado em um contexto intelectual e cultural especificamente japonês.


Kishio Suga nasceu em Morioka, na província de Iwate, em 1944, e vive e trabalha em Ito, na província de Shizuoka. Suas mais importantes exposições individuais dos últimos dois anos incluem: Pirelli HangarBicocca, Milão (2016); Dia: Chelsea, Nova York (2016); e o Museu de Arte Contemporânea de Tóquio (2015). Ele participa frequentemente de exposições panorâmicas internacionais. Uma recriação de sua instalação pioneira ao ar livre Law of Situation [Lei da Situação] (1971) está sendo exibida no estaleiro Gaggiandre na 57a Bienal de Veneza até 26 de novembro de 2017, e seu trabalho está na mostra Japanorama. New vision on art since 1970 [Japanorama. Nova visão sobre a arte desde 1970], no Centro Pompidou de Metz, até 5 de março de 2018. Outras mostras coletivas recentes incluem Karla Black and Kishio Suga: A New Order [Karla Black e Kishio Suga: Uma nova ordem] na Scottish National Gallery of Modern Art, Edimburgo (2016); Prima Materia, Punta della Dogana, Veneza (2013); Parallel Views: Italian and Japanese Art from the 1950s, 60s, and 70s [Visões Paralelas: Arte italiana e japonesa dos anos 1950, 60 e 70], The Warehouse, Dallas (2013); e Tokyo 1955-1970: A New Avant-Garde [Tóquio 1955-1970: Uma nova vanguarda], Museum of Modern Art, Nova York (2012). 

Obras do artista