Exposição "A Ira Ria"

Exposição

  • Nome:

    Exposição "A Ira Ria"

  • Abertura: 07 de julho 2022
  • Visitação: até 03 de setembro 2022
  • Galeria: Galeria Raquel Arnaud

Local

  • Local: Galeria Raquel Arnaud
  • Evento Online: Não
  • Endereço: R. Fidalga, 125 - Vila Madalena, São Paulo

Galeria Raquel Arnaud apresenta  nova exposição do artista Carlos Nunes “a ira ria”

A exposição conta com trabalhos desenvolvidos nos últimos dois anos, que refletem sobre questões da atualidade e tratam da abstração da palavra em um cenário de múltiplas narrativas.


Abertura: 7de julho, das 19h às 22h



Em “a ira ria”, Carlos Nunes exibe obras recentes, produzidas nos últimos dois anos. O artista comenta que as obras foram feitas no calor do momento, sentidas no estômago e botadas para fora. Em alguns momentos sugerindo gritos, e em outros, o silenciamento. Uma das questões de sua atual pesquisa é a maleabilidade e capacidade de abstração das palavras, em seus múltiplos contextos, num mundo dominado por narrativas. O uso de palíndromos – palavras ou frases onde o início pode ser o fim, e o fim, o início; e sua leitura, um eterno ir e vir, sempre com o mesmo sentido – serve como matriz da exposição.

 

“OSSO”, “ATORREDADERROTA” e “RIR, REVER, REVIVER” nasceram como perguntas ou reivindicações e ganharam o espaço público antes de ganhar o “status” de arte. Nesse processo, o artista desenvolveu um projeto itinerante, chamado “ATORREDADERROTA”, que percorreu algumas cidades na rota entre São Paulo e Brasília, montando uma estrutura feita de chapas de madeira e ferro com o palíndromo inscrito de forma vazada. Outro trabalho de sua pesquisa se vê na série “RIR, REVER, REVIVER”, espécie de manifesto composto por placas de madeira que servem como matrizes para serigrafias com esses três verbos.

 


A exposição ocupa os dois andares da galeria, com propostas distintas para cada um. O andar térreo da galeria tem um tempo e um espaço muito específicos, como o tempo de um filme cujo título é o palíndromo que dá nome à exposição: “a ira ria”. Já o andar superior é “OCO”, um espaço dilatado pelo uso dessa palavra em todas as paredes e que simultaneamente sugere um vazio nessa sala. Na série “OCO”, o procedimento é preencher o espaço da folha deixando apenas o vazio da palavra-palíndromo. São desenhos realizados em diferentes locais, com diferentes materiais e com o uso do tempo e do espaço como matéria e tema de trabalho. Dentro de paralelismos e diálogos sobre a estrutura das palavras e o silenciamento de narrativas, a obra “Diário” consiste no acúmulo das notícias de jornal que se transformaram em “pedras” ou “meteoros”, como se tivessem caído sobre nossas cabeças ou estivessem flutuando neste espaço OCO.


Newsletter

RUA QUATÁ 845, VILA OLÍMPIA, CEP: 04546-044 SÃO PAULO - SP | CNPJ: 29.752.781/0001-52
Fale conosco via WhatsApp