Artsoul

Conheça nossas peças de design

Exposição "Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak"
Exposição

Exposição "Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak"

Exposição

  • Nome: Exposição "Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak"
  • Abertura: 25 de outubro 2023
  • Visitação: até 04 de fevereiro 2024

Local

  • Local: INSTITUTO TOMIE OHTAKE
  • Evento Online: Não
  • Endereço: Rua Coropé, n.° 88, Pinheiros, São Paulo

Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak


Lideranças indígenas visitadas pelo fotógrafo e pelo curador estarão presentes na abertura da exposição



Como escreve Ailton Krenak, curador da mostra, no início de seu texto: “Nagakura-san é um samurai. Sua espada é uma câmera que ele maneja com a segurança de quem já passou por campos de refugiados e esteve no centro das praças de guerra, por lugares como África do Sul, Palestina, El Salvador e Afeganistão. Depois desse mergulho no inferno global, quando sentiu de perto a loucura dos seres humanos, o samurai da câmera descobriu a floresta amazônica e seus povos nativos”.


Algumas obras dos territórios em conflito fazem parte da exposição, contudo, os trabalhos do fotógrafo em Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak concentram-se nos registros permitidos realizados nas viagens da dupla, principalmente pelo território amazônico. Os percursos abarcaram quase 5 anos, de 1993 a 1998, dezenas de horas, duas vezes por ano, sempre na companhia da produtora e intérprete Eliza Otsuka. A exposição, acompanhada de encontros e lançamento de livro, é o resultado de uma “união de esforços para fazer uma celebração em torno dessa amizade alimentada pelo sonho e beleza da obra do fotógrafo Hiromi Nagakura”. 


Segundo Krenak, a mostra traz algumas das belas imagens das viagens às aldeias e comunidades na Amazônia brasileira. “Momentos de intimidade e contentamento entre ‘amigos para sempre’ inspiraram esta mostra fotográfica mediada por encontros com algumas das pessoas queridas que nos receberam em suas cozinhas e canoas, suas praias de rios e nas aldeias: Ashaninka, Xavante, Krikati, Gavião, Yawanawá, Huni Kuin e comunidades ribeirinhas no Rio Juruá e região do lavrado em Roraima”, destaca o curador. As viagens alcançaram os estados do Acre, Roraima, Mato Grosso, Maranhão, São Paulo e Amazonas. Muitos indígenas, que foram visitados pelas lentes do fotógrafo na companhia de Krenak, estarão presentes na abertura da exposição.


A aproximação entre Krenak e Nagakura começou numa conversa, sentados em esteiras, na sede da Aliança dos Povos da Floresta, no bairro do Butantã, em São Paulo, onde se conheceram, quando Eliza Otsuka apresentou o plano de viagens de Nagakura. “Ela [Eliza] resumiu com estas palavras o conceito todo do projeto para alguns anos dali para frente: ele vai ser a sua sombra por onde você for, quando estiver dormindo e quando estiver acordado”, recorda-se Krenak. Esta história toda está reunida em um dos livros escrito em nihongo, publicado pela editora Tokuma (Tóquio, 1998), intitulado Assim como os rios, assim como pássaros: uma viagem com o filósofo da floresta, Ailton Krenak assumido por Krenak como a sua biografia feita por Hiromi Nagakura. Uma versão do livro, com autoria de Ailton Krenak a partir dos depoimentos atualizados será lançado no Brasil pela Dantes Editora, como um dos eventos que integram a programação da mostra. O lançamento de Um rio, um pássaro acontece dia 27 de outubro, das 18h às 21h, no Instituto Tomie Ohtake, com mesa e autógrafo. 


As viagens de Krenak e Nagakura já foram registradas anteriormente no Japão em livros, exposições e documentários para a NHK. O livro Seres Humanos – Amazônia, lançado em 1998 em Tóquio, teve enorme repercussão e foi seguido de duas exposições e exibição em programas na TV com muita mídia voluntária, um espaço raro para o reconhecimento do Brasil, Amazônia e povos indígenas. “Acompanhei, como convidado especial, Hiromi Nagakura em programas ao vivo na TV em horário nobre, antecedido por fala de fim de ano do imperador. Não foi pouca coisa o impacto dessas exposições e livros-reportagens para a formação de uma opinião pública esclarecida sobre a realidade dos Yanomami e Xavante, e da Amazônia mesma. Afinal, nós andamos por dezenas de aldeias nas cabeceiras dos rios Juruá, Negro e Demini, Tarauacá e rio Gregório, além de cortar estradas pelo cerrado e regiões de florestas onde a vida continua vibrante como nos primórdios da criação”, completa Krenak.


Uma publicação, editada pelo Instituto Tomie Ohtake, marca a exposição, ao reunir um conjunto de obras de Nagakura e ensaios assinados por: Angela Pappiani; Claudia Andujar; Laymert Garcia dos Santos; Lilia Moritz Schwarcz; e Priscyla Gomes. A exposição é patrocinada por Bradesco, Meta Brasil e Boston Consulting Group (BCG).


Sobre Hiromi Nagakura


Hiromi Nagakura nasceu em 1952 na cidade de Kushiro, ao norte da ilha de Hokkaido, no Japão. Desde criança, amou gente e a natureza, interessado em pessoas e culturas de outros lugares do mundo. Sentia-se atraído pelo novo, pelo desconhecido. Viajou para destinos diversos, visitou as ilhas do Pacífico Sul, entrou em contato com povos nômades do Afeganistão. Foi então que sentiu a necessidade de documentar seus encontros e começou a praticar e se aperfeiçoar nas técnicas da fotografia. Para ele, desde o início, a fotografia sempre foi um instrumento para se relacionar com o mundo e a diversidade de culturas, paisagens e pensamentos. Formou-se em direito, mas seguiu a carreira de fotógrafo. Trabalhou na agência noticiosa Jiji Press porque admirava os fotógrafos reconhecidos por seus trabalhos de cobertura de guerras. Em 1979, com 27 anos, Nagakura decidiu tornar-se fotojornalista independente, caminho que acabou levando-o a conhecer a África  do Sul, Zimbábue, União Soviética, Afeganistão, Turquia, Líbano, El Salvador, Bolívia, Peru, Brasil, Indonésia, México, Groenlândia e vários outros países, em todos os continentes. Realizou centenas de viagens e exposições, publicou dezenas de livros, foi personagem de inúmeros documentários, escreveu reportagens, ministrou oficinas e palestras, recebeu prêmios. Sua obra, já reconhecida no Japão, é exposta pela primeira vez no Brasil na exposição Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak, com curadoria desse amigo e personagem de seu trabalho.


Sobre Ailton Krenak


Ailton Alves Lacerda Krenak nasceu em 1953 no Vale do Rio Doce, em Minas Gerais, quando o povo Krenak vivia no exílio, expulso de seu território tradicional por invasores que ocuparam e depredaram as matas densas às margens do Watu, como o povo originário chama seu avô-rio. Depois, nos anos de ditadura, a antiga aldeia Krenak foi transformada em prisão indígena, testemunha da violência contra os povos que insistiam em desafiar a ordem imposta vivendo de um modo diferente. Ailton viveu parte de sua vida em São Paulo, onde estudou e começou sua militância no movimento que começava a surgir no final dos anos 1970, reunindo indígenas de muitas etnias em torno de uma luta comum por direitos. Sua imagem pintando o rosto de preto no Congresso Nacional tornou-se símbolo da resistência indígena na Constituinte. Coordenou a União das Nações Indígenas, o Núcleo de Cultura Indígena, o Centro de Pesquisa Indígena, a Embaixada dos Povos da Floresta e a Aliança dos Povos da Floresta ao lado de seringueiros, extrativistas e ribeirinhos pela vida da (e com a) Floresta. Regressou nos anos 2000 a seu território, que ajudara a consolidar em 1999. Hoje vive às margens do Watu, ferido pela lama do rompimento da barragem de dejetos da Samarco em 2015. Ali o povo se fortalece, rememora a língua e os ritos, restabelece a vida. Nos últimos anos, Ailton Krenak tem se dedicado à manifestação do pensamento através do som e do poder sagrado das palavras, refletindo sobre temas que afetam a todas e todos nós, seres vivos de todas as humanidades, companheiros da mesma canoa Terra que navega no firmamento. Suas palavras estão registradas em livros que nos aproximam da cosmologia dos povos originários e confrontam nossa vida cotidiana. Conheceu Hiromi Nagakura em 1993, e agora, 30 anos depois, eles se reencontram nas curvas dos rios amazônicos na mostra de fotografias "Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak".


Sobre o Livro "Um rio, um pássaro"


Em Um rio um pássaro o leitor encontrará Ailton Krenak em dois tempos. O primeiro texto, com o título do livro, emerge dos anos 90, tempo de suas longas jornadas por aldeias, rios e pela floresta. São reflexões sobre a vida, ao mesmo tempo que evocam a memória da formação do movimento indígena no Brasil. Os registros de suas falas foram feitos pelo fotógrafo japonês Hiromi Nagakura e haviam sido publicados somente no Japão. Uma cachoeira é o título do segundo texto, também inédito. Nele, Ailton em 2023, aprofunda o tema do abismo cognitivo causado pela separação da cultura e da natureza, além de discorrer sobre a neutralidade como subterfúgio aético diante do colapso ambiental. “Se nos permitirmos descansar o corpo na natureza, todo o universo passa a trabalhar a nosso favor. Mas se cortarmos ou negarmos a relação com a natureza passaremos a depender apenas da nossa força individual, e nos tornamos solitários. Para pescar é preciso do apoio do espírito da água, é preciso negociar com este espírito. O rio está em constante movimento, e a água de hoje é diferente da água de ontem. A água se mantém límpida por estar sempre em movimento. Assim como o vento que carrega sementes, a água também carrega as suas sementes. A nova vida que nasce carrega consigo a memória do antigo. É o dinamismo que miscigena o velho e o novo, assim é a vida. No mundo urbano, o que une as pessoas são os computadores. Na floresta são as canoas. Isso faz com que pensemos de forma relativa. Alguns pensam que aqueles que inventaram jatos e satélites capazes de voar até o céu, são mais avançados do que os que fabricaram canoas e atravessaram para o outro lado do rio. Ambas as tecnologias são iguais por se tratar de atravessar de um mundo para o outro. A diferença é a distância. Os povos da floresta sabem construir tudo que é preciso para a própria vida.” Ailton Krenak


SEMANA DE ABERTURA


24 de outubro, terça-feira, 19h: Fala de Abertura

Conversa informal entre Ricardo Ohtake, Hiromi Nagakura e Ailton Krenak (tradução consecutiva Yoshihiro Odo). Será uma oportunidade de compartilhar memórias afetivas de encontros dos povos da floresta com o samurai da fotografia Hiromi Nagakura, e atualizar as lutas e realidade dos povos indígenas por meio de duas mesas com a presença de importantes lideranças visitadas por Nagakura e Krenak em suas viagens. 


25 de outubro, quarta-feira, 19h: Mesa 1 – Hiromi Nagakura e Ailton Krenak encontram os povos guerreiros de São Paulo e do cerrado (tradução consecutiva Yoshihiro Odo)

Convidados: Davi Verá Popygua Ju – Guarani (São Paulo), Kátia Gavião (Pará), Cipassé Xavante (Mato-Grosso), Salete Krikati (Maranhão), Gininho Xavante, Takwyiti Gavião, Marineusa Krikati e Jaqueline Jaxuka Fernandes (Guarani). E ainda: Gininho Xavante, Takwyiti Gavião, Marineusa Krikati e Jaqueline Jaxuka Fernandes (Guarani)


26 de outubro, quinta-feira, 19h: Mesa 2 – Hiromi Nagakura e Ailton Krenak encontram os guardiões da floresta (tradução consecutiva Yoshihiro Odo) 

Convidados: Alexandrina Ashaninka, Tika Matxuru, Siã Kaxinawá (Huni Kuin). E ainda: Gabriela Shina Pinhanta Araujo Ashaninka


27 de outubro, sexta-feira, das 18h às 20h: Lançamento e vendas do livro “Um rio, um pássaro” – Editora Dantes

Mesa com presença de Hiromi Nagakura, Ailton Krenak e Anna Dantes para falar da edição brasileira (das 18h às 19h). Autógrafos (das 19h às 20h). (tradução consecutiva Yoshihiro Odo). 


Serviço

Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak

De 25 de outubro de 2023 a 04 de fevereiro de 2024 

De terça a domingo das 11h às 19h - Entrada gratuita


INSTITUTO TOMIE OHTAKE

HORÁRIO Terça a domingo, das 11h às 19h

ENDEREÇO Rua Coropé, n.° 88, Pinheiros, São Paulo – SP CEP 05426-010

A 800m do metrô Faria Lima (linha amarela)

TELEFONE 11 2245 1900


Newsletter

Artsoul © 2023 | CNPJ: 29.752.781/0001-52