Seleção Julie Belfer

por Julie Belfer Julie Belfer

Me deixei livre para fazer uma coleção sem curadoria, sem narrativa de pesquisa específica. O que sempre reforço para meus clientes é que as obras vão conviver com os donos delas, nas suas casas. Vão participar do cotidiano um do outro. Vão criar uma relação, obra e colecionador. 

Portanto, ouvi meu próprio conselho e fiz o que prego. Escolhi à vontade. 

E aí, depois, olhei as minhas seleções. 

Tirando um mini filtro, para minha relativa surpresa, acaba que sim, a coleção é relativamente coesa (embora não tenha que ser), mesmo sendo baseada em impulso inconsciente. Adorei perceber meu inconsciente. 

Agora fazendo uma leitura, acho que todas as obras que escolhi tem um puxa-repulsa. Tem um binário, uma natureza e uma beleza estética e também, algo mais rígido mais racional. 

Imagino agora também rever essa seleção daqui 2 anos. 10. Como mudamos e como podemos nos perceber através das nossas escolhas. Arte reflete a gente. A coleção de arte, no mundo ideal, reflete seu colecionador. Nada melhor.