Artistas

Julio Villani

A obra de Julio Villani, prolixa e multifacetada (pintura, desenhos bordados, video, colagens, assemblages), é construída como uma infinidade de metaformas em torno de temas ligados à deslocação, à instabilidade, aos mundos infinitos e sem fronteiras que a vida oferece. Adotando alternativamente a linguagem da geometria ou dos atributos da infância, alimentado por referências históricas, o artista espreita a poesia nos vestígios do cotidiano, a partícula de inesperado que se esconde no corriqueiro: objetos usuais e sonho são para Villani o verso e o reverso de uma mesma realidade, como as duas faces de um bordado. Não por acaso foi este o suporte escolhido para a realização de uma obra monumental e site-specific recentemente instalada na Abadia do Thoronet, à convite do Palais de Tokyo. Cursou Artes Plásticas na FAAP, na Watford School of Arts de Londres e na École Nationale Supérieure des Beaux Arts de Paris, onde mora desde 1982. Seu trabalho foi apresentado em exposições no MAM de Paris, São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador; SESC; Centro de Arte Reina Sofia, Madrid, Museo del Barrio, Nova York. Entre suas individuais: Musée des Beaux-Arts de Agen, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Centre d'Art Contemporain 10Neuf de Montbéliard; Musée de Dieppe; Casa França Brasil e Paço Imperial, Rio de Janeiro; Musée Zadkine, Paris. Presente nos acervos do Fonds National d'Art Contemporain/ Ministère de la Culture; Musées de la Ville de Paris; Maison de l'Amérique Latine, Paris; Fondation Daniella Chappard, Venezuela; SESC; Manufacture des Gobelins/Mobilier National, Paris. Em 2008 fez sua primeira individual na Galeria Raquel Arnaud, que o representa desde então.

Obras do artista