Agenda

Projeto "MAM DE VERÃO"

MAM Rio - Av. Infante Dom Henrique, 85

Projeto "MAM DE VERÃO"

MAM de Verão

 

Em parceria com integrantes da Estação Primeira de Mangueira, MAM Rio apresenta programação ampla, diversa e inclusiva de janeiro a março

 

Durante os meses de janeiro, fevereiro e março de 2021, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) oferecerá programação gratuita para todos os públicos, contemplando famílias, adolescentes, crianças e bebês. É o projeto MAM de Verão, que inclui oficinas, ateliês, performances, cursos, jornada de estudos, visitas mediadas, ciclo de leitura cinematográfica e o início das atividades da Cinemateca ao ar livre. As ações vão acontecer nos espaços do museu, nas áreas circundantes do Parque do Flamengo e também em ambiente digital, engajando o público com dinâmicas diversas de criação. 

Para o diretor artístico do MAM, Pablo Lafuente, ter a programação voltada para o verão é primordial para pensar as questões externas e internas do museu: “Queremos influenciar e ser cada vez mais influenciados pelo parque e por todas as pessoas convidadas a participar de nossas atividades e trocas”, avisa. “Pensamos em uma programação que considera as dinâmicas diferenciadas que a pandemia nos exige e ainda assim traz o frescor que essa estação e o MAM demandam”, comenta Keyna Eleison, que divide a direção artística com Lafuente.

O Carnaval, cancelado em decorrência da pandemia de Covid-19, é o disparador que inspira as atividades de “não-carnaval” do novo projeto. Em paralelo à exposição Hélio Oiticica: a dança na minha experiência, em cartaz até 7 de março, o museu oferecerá oficinas, seminários e performances desenvolvidos com o curador convidado Leandro Vieira, carnavalesco da Estação Primeira de Mangueira, em parceria com expoentes da tradicional escola carioca. Esses eventos, protagonizados por mestres e artistas da Verde e Rosa, trazem saberes ancestrais ao MAM Rio e marcam o reinício das atividades do Bloco Escola a partir de janeiro. 

 

"A ideia geral é ocupar o MAM com os saberes próprios do universo das escolas de samba através de um diálogo artístico plural com aqueles que são os detentores de um conhecimento específico, nem sempre valorizado com a grandeza que merece”, afirma Leandro.

 

Em fevereiro, o MAM de Verão vai apresentar a performance Fazer Carnaval no Não-Carnaval e o Ciclo de Performances da Mangueira, ambos curados por Vieira. Entre outras atrações, a programação inclui a roda de conversa "Alfabeto percussivo”, com participação do mestre de bateria da Verde e Rosa, Wesley Assumpção, do historiador Luiz Antonio Simas e do músico Arifan. No dia 27 do mesmo mês, o estereótipo do corpo feminino negro no imaginário dos desfiles será questionado pela jornalista Flávia Oliveira, pela rainha de bateria da Mangueira, Evelyn Bastos, e pela intérprete carnavalesca Millena Wainer.

 

A ocupação de março prevê uma apresentação da Mangueira no dia 7 (domingo), no foyer do museu, e uma jornada de estudos acerca da obra de Oiticica, como proposição de encerramento da exposição montada em parceria com o MASP, para um processo imersivo de atividades que envolvem diferentes áreas do museu, como o Bloco Escola, a Cinemateca e as exposições.

 

Esta jornada marca o início das ações integradas para a reativação do Bloco Escola. Trata-se de um movimento importante no marco institucional por trazer consigo a vocação original do museu, que se entende e se sustenta na tríade arte, educação e cultura. O projeto Bloco Escola oferece formação continuada na área das artes, cinema e cultura, com formatos e durações diversas. Os cursos, oficinas, encontros e seminários apresentam a oportunidade de acessar ou aprofundar aspectos teóricos, poéticos, sociais e históricos da arte, do cinema e de outras formas de expressão, bem como as suas redes de produção, circulação e difusão em escala local, nacional e internacional.

 

Todas as atividades serão rigorosamente organizadas de acordo com os protocolos de segurança recomendados pelas autoridades sanitárias. 

MAM de Verão – Programação de fevereiro

 

Em fevereiro, o foco de nossa programação será na apresentação e compartilhamento de performances relacionadas com o Carnaval no período em que a festa de Carnaval não vai ocorrer. Para isso o MAM conta com a colaboração do artista e carnavalesco Leandro Vieira como curador convidado, e da contribuição de mestres e artistas da Estação Primeira da Mangueira. Essa programação estará acompanhada por oficinas móveis no Parque do Flamengo e sessões da Cinemateca.

 

Visitação às quintas e sextas, das 13h às 18h, e aos sábados e domingos das 10h às 18h. O MAM Rio estará fechado durante o Carnaval (14 a 17 de fevereiro).

 

EXPOSIÇÕES

Ingressos em www.mam.rio

HÉLIO OITICICA: A DANÇA NA MINHA EXPERIÊNCIA

ATÉ 7 MAR 2021

Curadoria: Adriano Pedrosa e Tomás Toledo

Exposição panorâmica de Hélio Oiticica (1937-1980), um dos mais importantes nomes da arte brasileira. Feita em parceria com o Museu de Arte de São Paulo (MASP), com curadoria de Adriano Pedrosa e Tomás Toledo. Reúne quase 100 obras, como Metaesquemas, do início da carreira, quando o artista participou do Grupo Frente, Relevos Espaciais, Núcleos e Bólides. Culmina com Parangolés, obras para serem usadas que resultaram do contato íntimo do artista com a escola de samba Estação Primeira de Mangueira, da qual foi passista.

saiba mais

https://www.mam.rio/programacao/helio-oiticica-a-danca-na-minha-experiencia/

 

 

BANDEIRA BRASILEIRA

 

28 JAN - 7 MAR 2021


A obra Bandeira brasileira (2019/2021), de Leandro Vieira, ocupa a parede do Salão Monumental, onde também acontece a exposição Hélio Oiticica: a dança na minha experiência. A bandeira foi mostrada primeiramente em desfile da Mangueira no Carnaval 2019, no qual a escola de samba foi campeã. O artista, que é o carnavalesco da escola de samba, é também o curador convidado da programação Saberes da Mangueira, que acontece neste verão no MAM [consulte abaixo a programação de Educação].

saiba mais

https://www.mam.rio/programacao/bandeira-brasileira/

 

COSMOCOCA - PROGRAMA IN PROGRESS:

NÚCLEO POÉTICO DOS QUASI-CINEMA

 

ATÉ 28 FEV 2021

Curadoria: Fernando Cocchiarale e Fernanda Lopes

 

Ampliações de slides de ambientes dos Bloco-Experiências in COSMOCOCA - programa in progress (1973), de Hélio Oiticica e Neville Dalmeida, foram oferecidas em doação ao MAM Rio. Em resposta, o museu faz mostra-resumo dos experimentos Quasi-Cinema de Hélio Oiticica, críticos ao movimento ilusionista e ao papel passivo do observador. A mostra inclui imagens das séries Neyrótika e TV Shot, e os filmes Agripina é Roma-Manhattan, Héliophonia, de Marcos Bonisson, e Cosmo Cápsula, de César Oiticica Filho.
saiba mais
https://www.mam.rio/programacao/cosmococas-nucleo-poetico-dos-quasi-cinema/

 


REALCE

ATÉ 21 FEV 2021

Curadoria: Keyna Eleison e Pablo Lafuente

 

Primeira exposição do acervo do MAM Rio realizada pela nova Direção Artística do museu, Realce reflete o processo pessoal de aprendizado e familiarização com as obras da coleção e a arquitetura dos espaços expositivos. A exposição é uma reflexão prática sobre o que faz algo se mostrar em suas melhores condições, vibrar sob uma nova luz e reagir a um olhar talvez inocente, com interesse em agendas propositivas, definitivamente curioso e sem muitas certezas. Com obras de mais de 50 artistas, entre eles Anna Maria Maiolino, Djanira, Lygia Clark, Mira Schendel, Cícero Días, Edival Ramosa, GTO, Hélio Melo, Le Corbusier e Max Bill.

saiba mais
https://www.mam.rio/programacao/realce-obras-do-acervo/https://www.mam.rio/programacao/realce-obras-do-acervo/

PERCURSOS

QUINTAS E SEXTAS às 10h e 11h30

Bloco Expositivo

Agendar pelo site: www.mam.rio/ingressos

 

As pessoas podem montar um grupo de seu relacionamento para ter acesso exclusivo às exposições do museu, antes do horário da abertura para o público. Com agendamento prévio e ingresso de valor diferenciado, o grupo terá direito a reserva no estacionamento e acompanhamento de educadores, que irão propor circuitos de visitação a cada grupo a partir de um percurso previamente escolhido. São apenas duas sessões diárias, para grupos de até 8 pessoas, e seguem todos os protocolos de segurança sanitária.

 

 

Percursos à escolha:

 

Paisagens imaginantes -  Como vemos e sentimos os lugares por onde passamos? A proposta da visita é fazer um percurso da paisagem que vemos na área externa do museu até as paisagens reais ou imaginadas, externas ou internas, presentes nas diversas exposições em cartaz. 

 

Hélio Oiticica e o MAM - Como pensar a obra de Hélio Oiticica a partir da relação com o museu? O percurso pela exposição Hélio Oiticica: a dança na minha experiência atravessa a obra de Hélio e sugere costuras entre as histórias do artista e do MAM, espaço que abrigou movimentos artísticos como o Grupo Frente em 1955, também composto por Hélio. No ano anterior, Hélio e seu irmão César Oiticica, adolescentes, haviam sido alunos de Ivan Serpa no Curso Livre de Pintura do MAM, quando a sede atual do museu ainda não existia.

 

Acervo MAM - Até 21 de fev, visita à exposição Realce, que apresenta o acervo do MAM Rio sob um novo olhar curatorial, desta vez com a reabertura das vidraças que trazem mais luz natural ao espaço do museu.

 

 

 

 

 

 

Sábados - Zona Aberta

6 e 20 de fevereiro, das 14h às 16h

Pilotis do MAM

Ateliê móvel, que propõe atividades e práticas artístico-pedagógicas nos jardins e demais áreas externas do MAM Rio. Visa a integração e participação de grupos e pessoas que frequentam o Aterro do Flamengo, a partir de diferentes formas de vivenciar, conviver e se apropriar do museu.

 

6 fev - Oficina de cartaz de lambe-lambe com molde vazado, com Loo Stavale

Faixa etária: a partir de 10 anos

Nesta oficina vamos produzir cartazes, criar e reproduzir imagens pensadas a partir de formas e palavras que serão recortadas e impressas em papel, através da tela de silk. São quatro etapas: criação do cartaz/desenho/imagem, recorte da matriz, impressão e apresentação dos cartazes para colagem.

 

20 fev - Circuito Sensorial das Ervas, com Mayara Veloso

Faixa etária: 10 a 14 anos

Explorar os sentidos através do toque e reconhecimento visual de algumas plantas medicinais e/ou PANCs. A primeira etapa é um convite ao público para identificação das espécies e uma conversa sobre suas aplicações e usos em nossa vida cotidiana. Por fim, será proposto que adultos e crianças criem impressões com frotagens das ervas experienciadas durante a atividade.

 

 

Sábado - Acervo em Foco

SAB 27 "sem titulo" 2005 - Marepe - purpurina sobre papel

por Prili

14h

Bloco Expositivo - Exposição de Acervo - Realce

Faixa etária: a partir de 8 anos

O acervo em foco é uma roda de conversa em torno das obras que integram o acervo do MAM, suas singularidades, contextos de produção e relevâncias na coleção do museu. No mês de fevereiro vamos conversar sobre um trabalho de Marepe feito em 2005, desenho de um boi feito com cola e purpurina sobre papel.

12 vagas - Distribuição de pulseira 30 minutos antes da ação.

 

Visita Petrobras - Domingos

07, 14, 21 e 28 de fevereiro

10h30, 13h30 e 15h

Bloco Expositivo

 

Faixa etária: todas as idades

 

Aos domingos, oferecemos visitas realizadas por educadores que irão dialogar, compartilhar e trocar com os públicos olhares, leituras e significados em torno das produções, práticas e trajetórias artísticas das exposições do MAM.

 

Devido às medidas de higiene necessárias à mitigação da Covid-19, será necessário pré-agendar a visita em www.mam.rio/ingressos. Capacidade: 8 pessoas por horário.

 

 

10h30 - Hélio Oiticica - A visita sugere um diálogo sobre a produção e trajetória de Hélio Oiticica através das exposições Cosmococa - Programa in Progress e Hélio Oiticica: a dança na minha experiência.

 

13h30 - Uma volta pelas exposições - A visita propõe uma visão panorâmica da programação com uma volta pelas exposições em cartaz instigando relações de contrastes e aproximações a partir da reflexão: o que pode ser um museu?

 

15h - Acervo MAM  - Visita à exposição Realce, que apresenta o acervo do MAM Rio sob um novo olhar curatorial, desta vez com a reabertura das vidraças que trazem novamente luz natural ao espaço do museu. 

 

Performance Fazer Carnaval no Não-Carnaval

[organizado com Leandro Vieira]

SEX 19 fev às 19h

Número de vagas: 15
Inscrições em www.mam.rio/ingressos

 

 

CICLO DE DEBATES PERFORMANCES DO CARNAVAL
Curador convidado: Leandro Vieira

Restaurante

Número de vagas: 30

Inscrições em www.mam.rio/ingressos

 

Manifestação artística e cultural intimamente ligada à construção da identidade coletiva da cidade do Rio de Janeiro, os desfiles das escolas de samba são atividades fundamentais para a compreensão da história social e política da cidade. Envolvem não apenas aspectos ligados às disputas de narrativas, mas também às lutas por reconhecimento de territórios simbólicos.
  

Em função das medidas sanitárias necessárias para a contenção da pandemia do Covid-19, a cidade do Rio de Janeiro estará privada de realizar neste mês de fevereiro sua mais legítima e reconhecida tradição cultural: os cortejos carnavalescos e desfiles de Carnaval. É nesse contexto que a ocupação proposta dialoga com as possibilidades reais de mantermos na pauta da cidade não apenas os saberes da prática carnavalesca, mas também a insistência de reafirmamos os desfiles das escolas de samba como espaço de arte múltipla e maiúscula.

 

Serão quatro dias de encontros nos quais diferentes aspectos dos desfiles serão abordados em mesas de debates e provocações formadas por estudiosos, pesquisadores e artistas que atuam diretamente no universo das artes aplicadas aos desfiles.

 

SEX 19 fev, das 17h às 19h
Mestre-sala e porta-bandeira

Com Matheus Olivério, Squel Jorgea e Helena Teodoro

 

SÁB 20 fev, das 17h às 19h
Alfabeto percussivo
Com Ari Fã,  Wesley Assumpção e Luiz Antonio Simas

 

SEX 26 fev, das 17 às 19h
Paleta de cores e enredo
Com Milton Cunha, Leandro Vieira e Keyna Eleison

 

SÁB 27 fev, das 17 às 19h
Estereótipo do corpo feminino negro
Com Flávia Oliveira, Evelyn Bastos e Milena Wainer

 

 

CINEMATECA ONLINE

 

Programação online gratuita

www.vimeo.com/channels/cinematecadomam

 

A programação online de fevereiro finaliza a mostra dedicada ao cinema de Helena Ignez, Sinai Sganzerla e Djin Sganzerla, com destaque para a exibição do longa de estreia da última, e uma live em torno do filme.

O mês prossegue com uma mostra dedicada à produtora A Gota Preta, criada por Renato Ranquine em 2016, e que em 2018 transformou-se também em distribuidora, reunindo uma crescente e significativa carteira de filmes ligados ao universo das artes visuais e ao cinema experimental brasileiro, cada vez mais próximos e interconectados. O trabalho de A Gota Preta indica uma tendência de distribuição audiovisual e se destaca pela coesão e qualidade dos títulos selecionados para circulação comercial e cultural em circuitos novos e digitais, muitos deles alcançando premiações nacionais e internacionais. A Mostra A Gota Preta Filmes Apresenta vai reunir dez filmes da distribuidora que serão incorporados ao acervo da Cinemateca.

 

TER 26 jan - SEG 1 fev

Fakir de Helena Ignez. Brasil, 2019. Documentário. 92’. Classificação indicativa 14 anos

 

 

SEX 29 jan - QUI 4 fev

Extratos de Sinai Sganzerla. Brasil, 2019. Documentário. 8’. Classificação indicativa 10 anos + A mulher de luz própria de Sinai Sganzerla. Brasil, 2019. Documentário. 74’. Classificação indicativa 12 anos

 

SEX 5  - DOM 7 fev

Mulheres de luz própria: os filmes de Helena Ignez, Sinai Sganzerla e Djin Sganzerla. Mulher oceano de Djin Sganzerla. Brasil, Japão, 2020. Com Djin Sganzerla, Kentaro Suyama, Stênio Garcia, Lucélia Santos, Gustavo Falcão, Rafael Zulu, Jandir Ferrari. 99’ Classificação indicativa 14 anos

 

SEX 5  fev  (Com transmissão pelo Youtube e Facebook da Elo Company)

20h - Mulheres de luz própria: os filmes de Helena Ignez, Sinai Sganzerla e Djin Sganzerla. Conversa em torno de “Mulher oceano”. Com Djin Sganzerla, Marcus Mello, Duda Kuhnert e Isabel Veiga. Mediação José Quental.

 

SEX 12 fev - QUI 18 fev

A Gota Preta Filmes Apresenta. Adeus às coisas de Ian Schuler. Brasil, 2019. Videoarte/Experimental. 16’. Classificação Livre + Bárbara Balaclava de Thiago Martins de Melo. Brasil, 2016. Animação. 14’. Classificação 18 anos + Rasga mortalha de Thiago Martins de Melo. Brasil, 2019. Animação. 14’. Classificação 16 anos + A Noite dos lanches de Ian Schuler. Brasil/Portugal, 2020. Videoarte/Experimental. 9’. Classificação Livre

 

SEX 19 fev - QUI 25 fev

A Gota Preta Filmes Apresenta. Estudos superficiais de Gustavo Speridião. Brasil, 2016. Experimental. 36’. Classificação Livre + Time Color de Gustavo Speridião. Brasil/França, 2020. Experimental. 24’ Classificação Livre

 

SEX 26 fev - QUI 4 mar

A Gota Preta Filmes Apresenta. Tupinambá lambido de Lucas Parente. Brasil, 2018. Documentário Experimental. 12’. Classificação 14 anos + A cristalização de Brasília de Guerreiro do Divino Amor. Brasil, 2019. Experimental/Animação. 7’. Classificação 14 anos + O mundo mineral de Guerreiro do Divino Amor. Brasil, 2020. Experimental/Animação. 9’. Classificação 14 anos + Calypso de Lucas Parente e Rodrigo Lima. Brasil, 2018. Experimental. 61’. Classificação 14 anos.

MOSTRA LADO B DA FAVELA

15 - 28 FEV

Curadoria: Chico Serra

 

Uma diversidade de narrativas em torno dos territórios das favelas do Rio de Janeiro em 19 filmes, entre longas e curtas-metragens, realizados ao longo das últimas seis décadas. A mostra tem seis eixos temáticos.

 

Programa "Enquanto se luta se samba também" (Candeia) - Narrativas sobre o samba e resistência das organizações comunitárias

 

Sessão 1. Chega de demanda de Roberto Moura. Documentário. 1973. 10’. + Fala Mangueira de Frederico Confalonieri. Brasil, 1983. Documentário. 51’. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão 2. Pedreira de São Diogo de Leon Hirszman. Brasil, 1962. Com Sadi Cabral, Francisco de Assis, Glauce Rocha, Joel Barcellos, Cecil Thiré e Jair Bernardo. 18’. + Nossa escola de samba de Manuel Horácio Gimenez. Brasil, 1965. Documentário. 29’. + Associação dos moradores de Guararapes de Sérgio Peo. Brasil, 1978-1979. Documentário. 11’. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão 3. Aniceto do Império em... dia de alforria…? de Zózimo Bulbul. Brasil, 1981. Documentário. 10’ + Tia Eulália, Império do Divino de Erik Oliveira, Alexandre Contador e Rodrigo Ponichi. Brasil, 2006. Documentário. 73’. Classificação indicativa 12 anos

 


Programa “Pluralidade e sincretismo religioso nas favelas”.

 

Sessão 4. Santo forte de Eduardo Coutinho. Brasil, 1999. Documentário. 80’. Classificação indicativa 10 anos

 


Programa “A Infância na favela - Olhares em torno do universo infantil no cotidiano das comunidades cariocas”.

 

Sessão 5. Picolé, Pintinho e Pipa de Gustavo Melo. Brasil, 2006. Com Ana Miranda, Arthur Bispo, Chico Santana, Diego Francisco, Felipe Paulino da Silva, Henrique César, Newton Magalhães, Wallace Coutinho, Xande Alves. 16’ + Tempo de criança de Wagner Novais. Brasil, 2010. Com  Ketellen Coutinho, Luciana Bezerra, Manoela Rosa, Pablo Vinícius, Roberta Valente, Rodrigo Cardoso. 12’. + O Saci no morrinho de Renato Dias, Cirlan Oliveira, Fábio Gavião. Brasil, 2006. Com Fábio Gavião, Nelcirlan Souza, Renato Dias. 4’. Classificação indicativa livre

 

 

Programa "Na favela a poesia feito ar se alastrou" - As potências criativas descem o morro e tomam conta da cidade”.

 

Sessão 6. As canções de amor de uma bixa velha de André Sandino. Brasil, 2020. Documentário. 22’. +  Proibidão de Ludmila Curi e Guilherme Arruda. Brasil, 2012. Documentário. 13’. Classificação indicativa 16 anos

 

Sessão 7. Cidade de Deus - 10 anos depois de Cavi Borges e Luciano Vidigal. Brasil, 2013. Documentário. 68’. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão 8. A batalha do passinho - o filme de Emílio Domingos. Brasil, 2013. Documentário. 73’. Classificação indicativa 10 anos (FILME DISPONíVEL POR 24 HORAS -  APENAS NO DIA 20/02)

 


Programa “Uma guerra nada particular - Tensões e interações entre moradores, policiais e traficantes”.

 

Sessão 9. A revolta dos bonecos de Renato Dias. Brasil, 2007. Animação. 6’. + Mina de Fé de Luciana Bezerra. Brasil, 2004. Com Carla Severo, Manuel Jr. e Luciano Vidigal. 15’. Classificação indicativa 16 anos

 

Programa Vôo sobre a favela - Perspectivas

 

Sessão 10. Perspectivas do Helicóptero. Vídeo A. Da Favela de Manaíra Carneiro, Mariane Martins, Victor Hugo Rodrigues e Ricardo D'Aguiar. Brasil, 2019. Vídeo-Instalação. 5’. + Perspectivas do Helicóptero. Vídeo B. Do Helicóptero de Manaíra Carneiro, Mariane Martins, Victor Hugo Rodrigues e Ricardo D'Aguiar. Brasil, 2019. Vídeo-Instalação. 3’. Classificação indicativa livre

assista em
www.vimeo.com/showcase/ladobdafavela

 

Debates

Assista ao vivo pelo Facebook e Youtube do MAM Rio

SÁB 20 fev
19h - Conversa com Gustavo Melo, Wagner Novais, Roberto Moura e Rodrigo Ponichi. Mediação Chico Serra

SÁB 27 fev
19h - Conversa com André Sandino, Manaira Carneiro e representante da TV Morrinho. Mediação Chico Serra

 

 

VEREDAS DO PATRIMÔNIO AUDIOVISUAL

Projeto com patrocínio da Concremat e H.I.G. Capital e apoio da Guelt Investimentos

 

O ciclo Veredas do Patrimônio Audiovisual visa valorizar o patrimônio audiovisual brasileiro e mundial conservado pela Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e outras instituições de guarda brasileiras e estrangeiras. O ciclo promove o contato direto com as formas históricas de exibição audiovisual, oferecendo quando possível rigorosas condições de fruição do cinema tal como elas se apresentaram em determinado momento histórico e tecnológico. Isso inclui a possibilidade de assistir as obras do passado também em novos arranjos técnicos e associações criativas.

 

26 - 28 FEV

19h - Veredas do patrimônio audiovisual. Homenagem a Máximo Barro. Macumba na alta de Maria Basaglia. Brasil, 1958. Com Jayme Costa, Maria Dilnah, Fábio Cardoso, Irina Grecco e Marina Freire. 81’. + [Noel Rosa e o Bando dos Tangarás] de Paulo Benedetti. Brasil, 1929. Registro musical vitaphone da música “Hoje o galo sou eu”. 3’. Exibição em mov (h264). Classificação indicativa Livre

saiba mais
www.mam.rio/cinemateca/veredas-do-patrimonio-audiovisual/