Agenda

PEDRA E AR – Curso gratuito de verão com bolsa de permanência

Escola de Arte Visuais do Parque Lage Rua Jardim Botânico, 414 - Rio de Janeiro

PEDRA E AR – Curso gratuito de verão com bolsa de permanência

Por meio de edital público nacional, EAV Parque Lage lança curso on-line gratuito de verão com bolsas mensais de permanência de R$ 600

 

Em resposta à pandemia de Covid-19, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV) atua de forma propositiva e realiza o curso on-line gratuito Pedra e Ar, voltado a artistas com poéticas em desenvolvimento. Com aulas até 26 de março, o programa visa fomentar e apoiar a produção artística e discursiva com caráter crítico, experimental e disruptivo por meio de encontros periódicos com artistas, teóricos e demais agentes do campo cultural.

 

A seleção, feita por meio de edital público nacional, divulgou no dia 10 de dezembro os 12 candidatos selecionados. Uma bolsa de permanência de R$ 600 mensais vai remunerar os participantes do curso, como alternativa à excludente economia material do mundo da arte.

 

Para a diretora da instituição, Yole Mendonça, esta iniciativa é uma ação contrária ao processo de precarização e vulnerabilidade dos alunos e artistas durante a pandemia: “Esta importante conquista atualiza a radicalidade da EAV, que responde ao grave problema econômico dos trabalhadores da cultura, criando possibilidades para que os artistas não só invistam em formação e ampliem repertório, mas, sobretudo, para que permaneçam sendo artistas”, afirma.

 

O título do programa toma por empréstimo o nome de um dos objetos relacionais criados pela artista Lygia Clark. "Pedra e Ar" (1966) é constituído de uma pedra — objeto, peso, matéria, signo e forma — e um saco plástico repleto de ar. O sentido desta prática é apreendido a partir do contato, da experiência, da relação e do encontro, num movimento de contração e expansão, próprio daquilo que respira e é vivo.

 

“Em um momento de crise social e sanitária, interessa imaginar coletivamente que economia material, relacional e afetiva temos urgência em instituir.  É momento das instituições contribuírem de maneira direta na vida dos artistas, não há tempo para metáforas. Com velocidade, precisamos imaginar outros modos de vivermos em sociedade. Enquanto entendermos a arte como um processo meramente simbólico, vamos perpetuar a violenta desigualdade do setor cultural”, reflete Ulisses Carrilho, curador da EAV.

 

Os encontros têm o objetivo de criar uma comunidade temporária de discussão e ação a partir da arte produzida em todos os estados brasileiros. O curso, que prevê debates em torno do fazer e pensar arte, será realizado em plataformas de videoconferência, por meio de encontros síncronos acompanhados pelos professores-orientadores Clarissa Diniz e Ulisses Carrilho, coordenadores do Programa de Formação e Deformação da EAV Parque Lage. Ao longo do trimestre, serão intercalados exercícios práticos e provocações teóricas, que mobilizarão turma e convidados do campo da cultura em torno de cinco eixos temáticos: ‘Matérias’, ‘Corpos e corporeidades’, ‘Coletividades’, ‘Imagens’, ‘Cura e cuidado’.

 

Afirmando o caráter público da EAV como escola livre e a crença na arte como um exercício de imaginação, parte da programação acontece de forma aberta, para alunos não matriculados, privilegiando uma mirada pública e crítica aos processos de trabalho. No dia 18 de dezembro, foi realizada uma aula-espetáculo com transmissão ao vivo pelo canal do Youtube da EAV Parque Lage.

 

A curadora e professora Clarissa Diniz, que coordena o projeto em parceria com Carrilho, apresenta o Pedra e Ar como um processo de conversa e de escuta entre pessoas artistas e não-artistas de lugares diversos: “Quase um ano depois do início da pandemia, será um espaço-tempo para refletirmos sobre nossas percepções, experiências, desejos. Para tanto, convidamos as pessoas participantes a habitar discussões tão íntimas quanto públicas, que se darão a partir de cinco eixos centrais. Teremos encontros, aulas, debates e conversas livres que pretendem historicizar, problematizar, esgarçar e experimentar esses territórios a partir dos atravessamentos criados nessa convivência de verão", conclui Diniz.

 

Confira o cronograma:

 

SEMANA DE INTEGRAÇÃO

14 a 18 de dezembro, das 10h às 12h

Durante a primeira semana de encontros cada artista participante apresentará brevemente sua trajetória, práticas e principais referências para a turma. 

 

AULA ABERTA INAUGURAL

18 de dezembro, das 10h às 12h

Finalizando a semana de integração da turma, realizaremos uma aula aberta com participação de uma professora ou professor com relevância nacional no circuito artístico, e o encontro será acessível a todas e todos interessados por meio do canal do Youtube da EAV Parque Lage, reforçando o compromisso público do curso.

 

CICLOS DE ENCONTROS PERIÓDICOS

11 de janeiro a 26 de março, terças e quintas, das 10h às 12h

As aulas acontecem em ciclos temáticos formados por quatro eixos de investigação: histórias, práticas, problematizações, reflexões. 

 

AULAS ABERTAS

19/ janeiro: Aula aberta Ciclo1 - “Matéria”

02/ fevereiro: Aula aberta Ciclo 2 - “Corpos e corporeidades”

23/ fevereiro: Aula aberta Ciclo 3 - “Coletividade”

09/ março - Aula aberta Ciclo 4 - “Cura e cuidado”

23/ março - Aula aberta Ciclo 5 - “Imagem”

 

Sobre a EAV Parque Lage

 

A Escola de Artes Visuais foi criada em 1975, pelo artista Rubens Gerchman, para substituir o Instituto de Belas Artes (IBA). Seu surgimento acontece em plena Guerra Fria na América Latina, durante o período de forte censura e repressão militar no Brasil. A EAV afirma-se historicamente por seu caráter de vanguarda, como marco da não conformidade às fronteiras e categorias, e propõe regularmente perguntas à sociedade por meio da valorização do pensamento artístico.

Alguns exemplos marcantes da história do Parque Lage são a utilização do palacete como sede do governo da cidade de Alecrim em Terra em Transe, dirigido por Glauber Rocha em 1967; e a exposição Como Vai Você, Geração 80?, que reuniu 123 jovens artistas de diferentes tendências numa mostra que celebrava a liberdade e o fim do regime militar. O palacete em estilo eclético também palco de “Sonhos de uma noite de verão”, clássico shakespeariano, e serviu como locação para Macunaíma, de Joaquim Pedro de Andrade.

A Escola de Artes Visuais do Parque Lage está voltada prioritariamente para o campo das artes visuais contemporâneas, com ênfase em seus aspectos interdisciplinares e transversais. Abrange também outros campos de expressão artística (música, dança, cinema, teatro), assim como a literária, vistos em suas relações com a visualidade. As atividades da EAV contemplam tanto as práticas artísticas como seus fundamentos conceituais.

A EAV Parque Lage configura-se como centro educacional aberto de formação de artistas e profissionais do campo da arte contemporânea. Como referência nacional, com uma consistente imagem no meio da arte, a EAV busca criar mecanismos internos e linhas de atuação externa que permitam um diálogo produtivo com a cidade e com o circuito de arte nacional e internacional. A instituição integra a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do estado do Rio de Janeiro.

 

Serviço:

PEDRA E AR – Curso gratuito de verão com bolsa de permanência

14 de dezembro de 2020 a 26 de março de 2021

 

Mais informações: [email protected]

 

Escola de Arte Visuais do Parque Lage

Rua Jardim Botânico, 414 - Rio de Janeiro

Website: http://eavparquelage.rj.gov.br/

Instagram: @parquelage

Whatsapp: (21) 99228-7955 - Secretaria 1

                  (21) 96654-3179 - Secretaria 2

 

Imprensa:

Mônica Villela Companhia de Imprensa

(21) 97339-9898 | [email protected]