Agenda

CINEMATECA DO MAM ONLINE

Museu de Arte Moderna Online

CINEMATECA DO MAM ONLINE

CINEMATECA DO MAM ONLINE

Programação gratuita: www.vimeo.com/channels/cinematecadomam

 

 

CENTENÁRIO DE ZEQUINHA MAURO

Em maio chega ao final a mostra em homenagem a Zequinha Mauro. Neste mês serão apresentadas duas sessões. A primeira com curtas, entre eles o clássico A velha a fiar. A segunda sessão é composta de filmes caseiros da família Mauro, digitalizados especialmente para a mostra. Finalizando a homenagem temos um encontro para celebrar a memória de Zequinha a partir das lembranças de diversos amigos que conviveram com ele ao longo da vida.

 

SEG 3 MAI - DOM 9 MAI

Centenário de Zequinha Mauro. Programa 7.  A Velha a fiar de Humberto Mauro. Brasil, 1964. 6’. Classificação indicativa Livre. O João de Barro de Humberto Mauro. Brasil, 1956. 22 minutos +  Congonhas do Campo de Humberto Mauro. Brasil, 1957. Documentário. 16’. + Construções Rurais de Humberto Mauro. Brasil, 1956. 11’. Classificação indicativa livre

 

SEG 10 MAI - DOM 16 MAI

Centenário de Zequinha Mauro. Programa 8. [Festa da Primavera - Volta Grande - MG - 1949]. Brasil, 1949. 11’. + [Inauguração da av. Cineasta Humberto Mauro, em Volta Grande/MG - 1975). Brasil, 1975. 4’. Classificação indicativa livre

 

SEG 10 - (com transmissão pelo Youtube e Facebook)

16h - mesa-redonda. Lembranças de Zequinha. Com Severino Dadá, Octávio Bezerra, Aída Marques, José Inácio Parente e Mauro Domingues. Mediação José Quental

 

 

NEVILLE 80

1 MAI –  15 MAI - www.vimeo.com/showcase/neville80

 

Nascido em maio de 1941 na cidade de Belo Horizonte (MG), Neville D’Almeida é um dos cineastas mais singulares do cinema moderno brasileiro. Tendo iniciado sua carreira na década de 1960, construiu ao longo das décadas uma obra cinematográfica de muitas faces e que atravessa diversos movimentos e caminhos do cinema brasileiro. De um cinema político e experimental (Jardim de Guerra, Mangue Bangue etc.), passando por um cinema popular e de grande sucesso de público (A dama do lotação, Os sete gatinhos) até uma produção importante no difícil período da pré-retomada e retomada do cinema dos anos de 1990 (Matou a família e foi ao cinema, Navalha na carne), a filmografia de Neville traz uma marca de liberdade e ousadia muito expressivas. No século 21, Neville seguiu trabalhando ativamente, tendo realizado seu último longa, Frente fria que a chuva traz, em 2015, e codirigido o curta Redenção, em 2017. A obra de Neville extrapola também o cinema, com uma produção incontornável no universo das artes plásticas, em particular seu trabalho em parceria com Hélio Oiticica. Em Neville 80, a Cinemateca do MAM vai apresentar 7 longas-metragens de Neville D’Almeida, buscando revisitar seu cinema e contextualizando sua obra.

 

SAB 1 MAI - DOM 15 MAI

Programa 1. Jardim de Guerra de Neville D’Almeida. Brasil, 1968. 100'. Classificação indicativa 18 anos

 

Programa 2. A Dama do Lotação de Neville D’Almeida. Brasil, 1978. 90'. Classificação indicativa 16 anos.

 

Programa 3. Os sete gatinhos de Neville D’Almeida. Brasil, 1980. 109'. Classificação indicativa 16 anos

 

Programa 4. Rio babilônia de Neville D’Almeida. Brasil, 1982. 115'. Classificação indicativa 16 anos

 

Programa 5. Matou a família e foi ao cinema de Neville D’Almeida. Brasil, 1991. 86' Classificação indicativa 16 anos.

 

Programa 6. Navalha na carne de Neville D’Almeida  Brasil, 1997. 105'. Classificação indicativa 16 anos

 

Programa 7. A frente fria que a chuva traz de Neville D’Almeida. Brasil, 2015. 80'  Classificação indicativa 16 anos

 

Debate

 

QUA 12 MAI

16h - Conversa com Neville D’Almeida. Participação de Cesar Oiticica. Mediação: Hernani Heffner.

 

MOSTRA TRÊS ÁGUAS OS FILMES DE EVERLANE MORAES E LARA SOUZA

4 MAI – 10 MAI

 

A mostra busca destacar o diálogo e a parceria de duas jovens cineastas negras que vêm construindo juntas seu primeiro longa-metragem: O navio e o mar. Everlane Moraes, brasileira, e Lara Souza, moçambicana, se conheceram no curso de cinema da Escuela Internacional de Cine y Televisión (EICTV) de San Antonio de los Baños, em Cuba. A partir desse encontro elas estabeleceram uma troca cinematográfica que vem se ampliando, ganhando novos contornos e colaborações. O presente programa, primeira etapa de uma mostra que vai se desdobrar em outros percursos, apresentará uma parte produção de curta-metragens de ambas as diretoras.

 

TER 4 MAI - SEG 10 MAI

Sessão 1. Pattaki de Everlane Moraes. Cuba, 2018. Documentário. 21'. + La santa cena de Everlane Moraes. Cuba, 2015. Documentário. 13’31’’. + Aurora de Everlane Moraes. Cuba, 2018. Documentário. 15’. Classificação indicativa 12 anos.+ Caixa d'água: qui-lombo é esse? de Everlane Moraes. Brasil, 2013. Documentário. 15’

 

Sessão 2. Kalunga de Lara Sousa. Cuba, 2018. Documentário. 22’. + Fim (Fin) de Lara Sousa. Cuba, 2018. 15’.Documentário. 15. +  A quinta do medo de Lara Sousa. Cuba, 2017. Documentário. 14’.  Machimbo - o homem novo (Machimbrao – el hombre nuevo) de Lara Sousa. Cuba, 2016. Documentário. 13’30’’.

 

DEBATE

QUI 6 MAI (ao vivo youtube e facebook MAM)

14h Mostra três águas. Os filmes de Everlane Moraes e Lara Souza. Debate com as realizadoras Lara Sousa e Everlane Moraes. Mediação Keyna Eleison

 

 

 

ALLAN RIBEIRO 20 ANOS DE CINEMA

7 MAI – 10 JUN

 

Retrospectiva dedicada ao realizador Allan Ribeiro, nome incontornável do cinema independente brasileiro do século 21. Duas décadas e muitos prêmios depois do seu primeiro filme, realizado quando estudava na Universidade Federal Fluminense, Allan Ribeiro constituiu uma obra muito autoral, um cinema de encontros marcado por uma grande sensibilidade de olhar e na construção de seus personagens. A retrospectiva Allan Ribeiro 20 anos de cinema se divide em cinco programas que apresentam o percurso cinematográfico do cineasta, desde os primeiros filmes até seu mais recente longa-metragem. As três sessões curtas-metragens se dividem em três fases da obra do diretor. A primeira, "Universitários", dedicada aos filmes realizados na UFF.  A segunda, "Em casa", parte de filmes que usam locações dentro de casa ou são ambientados no lar dos personagens. Por fim, o terceiro programa, "Retratos e Encontros", se organiza a partir de uma tendência na carreira do diretor de filmes que surgem da amizade, encontros e parcerias criativas com os personagens. Assim são os mais recentes curtas e os dois longas metragens. Serão apresentados 14 filmes do diretor que segue produzindo e está terminando seu terceiro longa-metragem, O dia da posse.

 

SEX 7 MAI - QUI 13 MAI

Programa 1 - “Universitários”. O brilho dos meus olhos de Allan Ribeiro. Brasil, 2006. Com Marcelo Dias, Dona Antônia, Zezé Veneno. 11’. Classificação indicativa livre. + Desconforto de Allan Ribeiro. Brasil, 2001. 1’. Classificação indicativa 12 anos. + Boca a boca de Allan Ribeiro. Brasil, 2003. Com Dal Ribeiro, Antônio Carlos Guerreiro, Ângela Weiner. 17’. Classificação indicativa 10 anos. + Papo de botequim de Allan Ribeiro. Brasil, 2004. Documentário. 20’. Classificação indicativa 12 anos.

 

SEX 14 MAI - QUI 20 MAI

Programa 2 - "Em casa". Com vista para o céu de Allan Ribeiro. Brasil, 2011. Com Marcelo Dias e Adriana Calcanhotto. 10’. Classificação indicativa Livre + Ensaio de cinema de Allan Ribeiro. Brasil, 2009. Com Gatto Larsen e Rubens Barbot. 15’. Classificação indicativa Livre + Depois das nove de Allan Ribeiro. Brasil, 2008. Com Rafael Primo e Selma Lopes. 15’. Classificação indicativa 12 anos. + A dama do Peixoto de Allan Ribeiro e Douglas Soares. Brasil, 2011. Documentário. 11’. Classificação indicativa Livre

 

SEX 21 MAI - QUI 27 MAI

Programa 3 - "Retratos e Encontros". O quebra-cabeça de Sara de Allan Ribeiro. Brasil, 2017. Documentário. 10’30’’. Classificação indicativa 12 anos. + Darel e Raskólnikov de Allan Ribeiro. Brasil, 2019. Documentário. 14’. Classificação indicativa Livre. + O clube de Allan Ribeiro. Brasil, 2014. Com Elaine Parker, Sophya Monroe, Patrícia San Lorran. 17’30’’. Classificação indicativa 12 anos. + O canto do homem de Allan Ribeiro. Brasil, 2013. Com Marcello Taurino. 4’. Classificação indicativa Livre.

 

SEX 28 MAI - QUI 3 JUN

Programa 4. Esse amor que nos consome de Allan Ribeiro. Brasil, 2012. Com Gatto Larsen, Rubens Barbot. 80'. Classificação indicativa 12 anos.

 

SEX 4 JUN - QUI 10 JUN

Programa 5. Mais do que eu possa me reconhecer de Allan Ribeiro. Brasil, 2015. Documentário. Com Darel Valença Lins. 72'. Classificação indicativa Livre.

 

DEBATE

 

SEX 21 MAI (Youtube e Facebook MAM)

16h - Encontro com Allan Ribeiro. Com Allan Ribeiro, João Luiz Vieira e Mariana Baltar. Medicação José Quental

 

SAÚDE E AMBIENTE  DOCUMENTÁRIO COMO FORMA DE EXPRESSÃO E DEBATE

 

A Cinemateca do MAM, em parceria com a VideoSaúde Distribuidora da Fiocruz, apresenta sessão especial com dois documentários que buscam pensar a relação entre saúde e ambiente. As obras de Tiago Carvalho e Beto Novaes expressam a importância da preservação ambiental, novas formas de relação com a terra e o solo, participação coletiva e o controle de agrotóxicos como fatores fundamentais de promoção da saúde. O evento celebra também o aniversário da Fundação Oswaldo Cruz e integra a programação do Núcleo de Estudos Audiovisual e Saúde (Neavs) da VideoSaúde\Icict\Fiocruz.

 

TER 25 MAI - SEG 31 MAI

Chapada do Apodi, morte e vida de Tiago Carvalho. Brasil, 2013. Documentário. 27’40’’. + O diagnóstico de Beto Novaes. Brasil, 2019. Documentário. 45’. Classificação indicativa livre.

 

DEBATE

SEX 28 MAI (ao vivo pelo Facebook e Youtube do MAM)

16h - Debate com os diretores Tiago Carvalho e Beto Novaes, e Wagner Oliveira, coordenador do Selo Fiocruz Vídeo. Mediação José Quental

 

 

INTERNATIONAL URANIUM FILM FESTIVAL 2021

20 - 30 MAI
www.vimeo.com/showcase/uranium2021

 

O ano de 2021 marca 10 anos do desastre atômico na Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, ocorrido em 11 de março de 2011. Além disso, em 22 de janeiro de 2021 entrou em vigor o Tratado da ONU sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW - sigla em inglês de Treaty on the Prohibition of Nuclear Weapons), que proíbe os países signatários de produzir, armazenar, vender e usar armas nucleares. Por isso, a 10ª edição do International Uranium Film Festival tem como foco as catástrofes do desastre nuclear de Fukushima e as milhares de bombas atômicas lançadas no mundo.

 

Dedicamos os 10 anos de Uranium Film Festival aos cineastas, fotógrafos e produtores que abordam com coragem, criatividade e paixão essas difíceis questões que tiraram ou ameaçaram a saúde e a vida de milhões de pessoas até as próximas gerações. Cineastas, fotógrafos e produtores que estariam presentes nesta 10ª edição do Uranium Film Festival do Rio de Janeiro, se não fosse a pandemia da Covid-19.

 

O International Uranium Film Festival é o único festival anual de filmes que destaca as questões nucleares e radioativas: a cadeia do combustível nuclear, a mineração de urânio, as bombas atômicas, as usinas nucleares, os resíduos nucleares e os acidentes nucleares: de Hiroshima a Fukushima. O primeiro International Uranium Film Festival foi realizado em maio de 2011, no Rio de Janeiro. Desde então, tornou-se um evento global com exibições ao redor do mundo.

 

Conexão Berlim – Rio: Saudações de Berlim ao Uranium Film Festival Rio de Janeiro 2021. Brasil, 2021. Com Klaus Mindrup e Manfred Mohr. Depoimentos. 5’. Legendas em português.

 

Sessão Peter Greenaway (Bombas atômicas). Bombas atômicas no planeta Terra (Atomic Bombs on the Planet Earth) de Peter Greenaway. Reino Unido e Países Baixos, 2010.  Videoarte, 13’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Peter Anthony (Guerra Fria). O homem que salvou o mundo (The Man Who Saved the World) de Peter Anthony. Dinamarca, 2014. Documentário. 110’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Jose Herrera Plaza (Guerra Fria). Operação flecha quebrada. Acidente nuclear em Palomares (Operación Flecha Rota. Accidente nuclear en Palomares) de Jose Herrera Plaza. Espanha, 2007. Documentário, 96’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Larbi Benchiha (Bombas atômicas). Argélia, De Gaulle e a bomba (L'Algérie, De Gaulle et la Bombe) de Larbi Benchiha. Argélia, 2011. Documentário, 52’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos. + Saudações de Moruroa (Bons Baisers de Moruroa) de Larbi Benchiha. Argélia e França, 2016. Documentário, 52’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Brittany Prater (Bombas atômicas). Urânio Derby (Uranium Derby) de Brittany Prater. Estados Unidos, 2017. Documentário, 88’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Claus Biegert (Bombas atômicas). Sobre o significado de tudo. A rede do físico Hans-Peter Dürr (About the Meaning of Everything - The Network of Physicist Hans-Peter Dürr) de Claus Biegert. Alemanha, 2020. Documentário, 103’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Daniel Abib (Bombas atômicas). Pequeno objeto A de Daniel Abib. Brasil, 2014. Ficção científica, 16’. Classificação indicativa 14 anos.

 

Sessão Roberto Fernández (Hibakusha / Bombas atômicas). 08:15 de 1945’ de Roberto Fernández. Brasil e Argentina, 2012. Documentário. 78’. Classificação indicativa 14 anos. + 11:02 de 1945 - Retratos de Nagasaki de Roberto Fernández. Brasil e Argentina, 2014. Documentário, 31’. Legendas em português. Classificação indicativa: 14 anos. + O senhor Morita de Roberto Fernández. Argentina e Brasil, 2016. Documentário. 31’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos. Testemunhas da barbárie de Roberto Fernández. Argentina e Brasil, 2019. Documentário, 39’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

 

Sessão Adam Jonas Horowitz (Bombas atômicas). Selvagem nuclear: as ilhas do projeto secreto 4.1 (Nuclear Savage: The Islands of Secret Project 4.1) de Adam Jonas Horowitz. Estados Unidos,  2011. Documentário, 87’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos. + Deuses atômicos - mitos de criação da bomba (Atomic Gods - Creation myths of the Bomb) de Adam Jonas Horowitz. Estados Unidos, 2021. Documentário. 36’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Robert E. Frye (Bombas atômicas). Durante uma vida: apresentação do projeto Nuclear Mundial (In My Lifetime: A presentation of the Nuclear World Project) de Robert E. Frye. Estados Unidos, 2011. Documentário, 112’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Loic Barché (Bombas atômicas). A aventura atômica (L'aventure atomique) de Loic Barché. França, 2019. Docudrama, 26’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

 

Sessão Alain Vézina (Bombas atômicas). Freiras de Nagasaki (Les sœurs de Nagasaki) de Alain Vézina. Canadá, 2018. Documentário, 52’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Shinpei Takeda (Bombas atômicas). Hiroshima Nagasaki download (Hiroshima Nagasaki Download) de Shinpei Takeda. México e Japão, 2010, 73´. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Katherine Aigner, Kim Mavromatis & Quenten Agius (Bombas atômicas). Confissões atômicas australianas (Australian Atomic Confessions) de Katherine Aigner. Austrália, 2005. Documentário, 50’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos. + A pátria de Bobby Brown - vivendo com o legado dos testes nucleares britânicos (Bobby Brown Homelands - Living with the legacy of British nuclear testing) de Kim Mavromatis e Quenten Agius. Austrália, 2015. Documentário, 5’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Futoshi Sato (Fukushima). Fukushima – 5 dias decisivos (Taiyô no futa) de Futoshi Sato. Japão, 2016. 130’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos + Fukushima: mensagem do ex-primeiro-ministro do Japão para o Brasil de Yasuko Takahashi. Japão, 2016. Depoimento, 9’. Legendas em português. Classificação indicativa livre

 

Sessão Ayumi Nakagawa (Fukushima). Mães atômicas refugiadas (Atomic Refugee Moms) de Ayumi Nakagawa. Japão, 2018. Documentário, 65’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

 

Sessão Keïko Courdy (Fukushima). A Ilha invisível (L’Île invisible) de Keïko Courdy. França, 2021. Documentário, 87’.  Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos + Além da nuvem: Yonaoshi 3.11 (Au-Delà du Nuage : Yonaoshi 3.11) de Keïko Courdy. França e Japão, 2013. Documentário, 94’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

Sessão Tamotsu Matsubara (Fukushima). Gado radioativo (Nuclear Cattle) de Tamotsu Matsubara. Japão, 2016. Documentário, 99’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

 

Sessão Alessandro Tesei (Acidentes nucleares). Fukushame – O Japão perdido (Fukushame – The lost Japan) de Alessandro Tesei. Itália, 2013. Documentário, 65’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos + O Senhor de Fukushima (Fukushima No Daimyo) de Alessandro Tesei. Itália, 2014. Documentário, 20’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos + Atrás dos Montes Urais: O Pesadelo antes de Chernobyl (Behind the Urals: The Nightmare Before Chernobyl) de Alessandro Tesei. Itália, 2015. Documentário, 62’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Tineke van Veen (Fukushima). Consciente (Aware) de Tineke van Veen. Países Baixos, 2014. Documentário, 14’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

 

Sessão Ranga Yogeshwar & Reinhart Brüning (Fukushima). A Luta do Japão contra a radioatividade (Ranga Yogeshwar in Fukushima - Japan’s Fight against Radioactivity) de Reinhart Brüning e Ranga Yogeshwar. Alemanha, 2014. Documentário, 43’. Legendas em português.  Classificação indicativa 14 anos. + Futuro radioativo? Fukushima 10 anos após o desastre do reator (Radiant future? Fukushima 10 years after the reactor disaster) de Reinhart Brüning. Alemanha, 2021. Documentário. 30`. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Miguel Silveira (Armas de urânio). Bala perdida. (Devil’s Work) de Miguel Silveira. Brasil e Estados Unidos, 2015. Com D. K. Bowser e Robert Caudy. 19’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

Sessão Greg Mitchell & Suzanne Mitchell (Hiroshima / Bombas atômicas). História atômica desenterrada (Atomic Cover-up) de Greg Mitchell e Suzanne Mitchell. Estados Unidos, 2021. Documentário, 52`. Classificação indicativa: 14 anos

 

DEBATES

 

QUI 20 MAI (Youtube e Facebook do MAM)

19h - Abertura do festival. Conversa com os  sobreviventes da bomba atômica de Hiroshima Takashi Morita (que será representado por André Loula), Kunihiko Bonkohara. Com a participação de Akira Kawasaki, coordenador do Peace Boat - organização civil japonesa de fomento à paz mundial. Mediação Márcia de Oliveira.

 

 

SEG 24 MAI (Youtube e Facebook do MAM)

16h - Conversa com o ex-embaixador Sérgio Duarte. Participação de Cristian Ricardo Wittmann.  Mediação Márcia de Oliveira e Norbert Suchanek.

 

90 ANOS DE LIMITE HOMENAGEM A SAULO PEREIRA DE MELLO

Em 17 de maio de 1931 era apresentado publicamente pela primeira vez o mítico filme de Mário Peixoto, Limite. O filme se tornou um clássico do cinema brasileiro e um marco incontornável do cinema experimental de vanguarda. Para lembrar os 90 anos daquela primeira sessão e saudar a memória de Saulo Pereira de Mello, incansável defensor e protetor de Limite e responsável por sua existência, a Cinemateca do MAM promove a exibição do filme em seu canal online e promove uma série de debates e conversas em torno do filme.

 

SEG 17 MAI - DOM 23 MAI

Limite de Mário Peixoto. Brasil, 1931. Com Olga Breno, Taciana Rey e Raul Schnoor. 120’. Classificação indicativa Livre

 

 

DEBATES

SEG 17 MAI

19h - Em memória de Saulo Pereira de Mello. Conversa com Filipi Fernandes e Walter Salles. Mediação Hernani Heffner.

 

TER 18 MAI

16h - Saulo e Limite. Debate com Alex Vasquez, Luciana Corrêa de Araújo e Rafael Saar. Mediação: José Quental

 

QUA 19 MAI (Youtube e Facebook do MAM)

19h - Masterclass de Denilson Lopes. 90 anos esta noite. Uma leitura da exibição de limite em 17 de maio de 1931. Mediação. Hernani Heffner

 

 

A COR NO CINEMA: INCURSÕES E RELAÇÕES
17 MAI - 20 JUN

QUA 19 MAI - TER 23 MAI

Sessão Especial.

Experimento bicromático de Paulo Benedetti.

 

QUA 19 - TER 23 MAI

Programa 1 - Monocromatismo

E aí, meu irmão, cadê você? (O Brother, Where Art Thou?) de Ethan Coen, Joel Coen. Estados Unidos, 2000. Com George Clooney, John Turturro e Tim Blake Nelson. 107’. Legendas em português. Classificação indicativa 12 anos.

 

Blue (Blue) de Derek Jarman. Reino Unido, 1993. Experimental. 79’. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos

 

O Ébrio de Gilda de Abreu. Brasil, 1946. Com Vicente Celestino, Alice Archambeau, Rodolfo Arena. (Versão sepiada). 131’. Classificação indicativa livre.

 

Nosferatu – Uma sinfonia do horror (Nosferatu, Eine Symphonie des Grauens) de Friedrich Wilhelm Murnau. Alemanha, 1922. Com Max Schreck, Gustav von Wangenheim, Greta Schröder e Alexander Granach. 88’. Silencioso. Legendas em português. Classificação indicativa 14 anos.

 

QUA 26 MAI - TER 1 JUN

 

Programa 2 - Policromatismo

 

Madame Satã de Karim Ainouz. Brasil, 2002. Com Lázaro Ramos, Marcélia Cartaxo, Flávio Bauraqui, Fellipe Marques. Classificação indicativa 16 anos

 

Seleção de filmes de Secondo de Chomón (filmes pintados à mão, stencil e cinemacoloris).

Uma noite terrível (La nuit épouvantable) de Segundo de Chomón. França, 1905. 2’20” + O teatro de Bob (Le théâtre de Bob) de Segundo de Chomón. França, 1906. 5’20”+ As rosas mágicas (Les roses magiques) de Segundo de Chomón. França, 1906. 2’53” + Aladdin e a lâmpada maravilhosa (Aladin ou la lampe merveilleuse) de Albert Capellani. França, 1906. 15’11” + As chamas diabólicas (Les flammes diaboliques) de Segundo de Chomón. França, 1907. 4’06”+ Os ovos de Páscoa (Les oeufs de Pâques) de Segundo de Chomón. França, 1907. 3’20” + O besouro de ouro (Le scarabée d’or) de Segundo de Chomón. França, 1907. 2’12” + A diversão de Satã (Le spectre rouge) de Ferdinand Zecca e Segundo de Chomón. França, 1907. 3’54” + Excursão à Lua (Excursion dans la Lune) de Segundo de Chomón. França, 1908. 7’03” + Blocos mágicos (Les blocs magiques) de Segundo de Chomón. França, 1908. 3’51” + Uma nova maneira de viajar (Voyage original) de Segundo de Chomón. França, 1908. 5’31” + Borboletas japonesas (Les papillons japonais) de Segundo de Chomón. França, 1908. 4’33” + A bela adormecida (La belle au bois dormant) de Albert caperllani e Lucien Nonguet. França, 1908. 14’28” + Viagem a Júpiter (Le voyage sur Jupiter) de Segundo de Chomón. França, 1909. 8’27” + Viagem a Burgos (Viaje a Burgos) de Giuseppe de Liguoro e Segundo de Chomón. Espanha/Itália, 1911. 4’13” + Superstição andaluza (Superstition andalouse) de Segundo de Chomón. Espanha/França, 1912.  10’14”

 

Seleção de filmes de George Méliès (pintado à mão)

O castelo assombrado (Le château hanté) de Georges Méliès. França, 1897. 47”. + A dança do fogo (La danse du feu) de Georges Méliès. França, 1897. 1’07”+ Joana d’Arc (Jeanne d’Arc) de Georges Méliès. França, 1900. 11’32” + Viagem à Lua (Le voyage dans la lune) de Georges Méliès. França, 1902. 12’59” + O reino das fadas (le royaume des fées) de Georges Méliès. França, 1903. 16’44”+ Viagem através do impossível (Le voyage a travers l’impossible) de Georges Méliès. França, 1904. 20’26” + O palácio das mil e uma noites (Les palais des mille et une nuits) de Georges Méliès. França, 1905. 20’58”.

 

Cyrano de Bergerac de Augusto Genina. Itália e França, 1923. Com Pierre Magnier, Linda Moglia e Angelo Ferrari. 117’. Silencioso. Legendas em português. Classificação indicativa. livre

 

 

VEREDAS DO PATRIMÔNIO AUDIOVISUAL

 

Muitas instituições, entre cinematecas, arquivos, museus e similares, conservam parte significativa do patrimônio audiovisual brasileiro. Nas diversas regiões do país existem importantes ações de preservação e valorização desse patrimônio. Privilegiando o trabalho de uma dessas instituições, o projeto Veredas do patrimônio audiovisual destaca em maio a Cinemateca Pernambucana. Criada em 2018, é uma das mais recentes entidades de guarda da memória audiovisual brasileira. No seio de sua fundação está a Coleção Geneton Moraes Neto, jornalista e cineasta falecido em 2016, que na década de 1970 foi um dos principais nomes do movimento do Super-8 do Recife. Apresentaremos dois programas com a quase totalidade das obras realizadas por Geneton, tanto em Super 8 quanto em outras bitolas. O programa se completa com uma conversa com Ana Farache e Paulo Cunha, respectivamente coordenadora geral e coordenador acadêmico da Cinemateca Pernambucana. Veredas do patrimônio audiovisual é um projeto patrocinado pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, pela Concremat, H.I.G. Capital e Guelt Investimentos, por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS.

 

 

SEX 28 MAI - DOM 30 MAI

Programa 1.  Mudez Mutante de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1973. Com Lele Almeida e João Coelho. Experimental. 7’.  Classificação indicativa livre + Conteúdo Zero, um Filme para Desentendidos de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1973/1974. Experimental. 14’. Classificação indicativa livre + Isso é Que é de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1974. Com Camilo Brollo, Nara Lúcia, Salette Allievi, Wilson Urquiza, José de Arimatéa, Juliana Cuentro, Machado Freire e Silvana Hiluey. Experimental. 6’. Classificação indicativa livre + Fabulário Tropical de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1979. Experimental. 6’. Classificação indicativa livre. + Funeral para a Década das Brancas Nuvens de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1979. Experimental. 10’. Classificação indicativa 14 anos + A Esperança é um animal nômade de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1981. Documentário. Com Iracema Cunha, Elizabeth Passi, Fernando Correia, Rafael Vildeuil. Experimental. 9’. Classificação indicativa livre + Loja dos Trapos do Coração de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1982. Experimental. 10’. Classificação indicativa livre + Gilbertianas Brasileiras de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1983. Experimental. 25’. Classificação indicativa Livre + O Coração do Cinema de Geneton Moraes Neto e Paulo Cunha. Brasil, 1983. Experimental. 18’. Classificação indicativa livre

 

Programa 2. Esses onze ai de Geneton Moraes Neto e Paulo Cunha. Brasil, 1978. Documentário. 10’. Classificação indicativa Livre. + A Flor do Lácio é vadia de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1978. Documentário. 6’. Classificação indicativa livre + America Morena 1 de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1977. Documentário. 12’. Classificação indicativa livre + America Morena 2 de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1977. Documentário. 20’. Classificação indicativa livre + Corinthians Coração de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1977. Documentário. 8’. Classificação indicativa livre + Verão, Veredas de Geneton Moraes Neto. Brasil,1976.  Documentário. 14’. Classificação indicativa livre + Quando JK de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1977. Documentário. 11’. Classificação indicativa livre + Dr Francisco de Geneton Moraes Neto. Brasil, 1981-1984. Documentário. 16’. Classificação indicativa livre

 

SEG 31 MAI (ao vivo pelo Youtube e Facebook)

16h - Conferência de Ana Farache e Paulo Cunha sobre a coleção Geneton Moraes Neto e o trabalho da Cinemateca Pernambucana. Mediação José Quental