revista ArtSoul

Nem museus, nem galerias: três espaços alternativos de arte em São Paulo

Nem museus, nem galerias: três espaços alternativos de arte em São Paulo

Fora da caixa, programa que expõe obras não mostradas com frequência, de acervos públicos ou privados. Vista da exposição O Cru do Mundo, de Ivens Machado, curadoria de Kiki Mazzucchelli. Crédito foto: divulgação

 

A vibrante cena artística de São Paulo vai além de museus, centros culturais e galerias. Na última década, surgiram espaços, que não se encaixam em nenhuma das categorias tradicionais. As exposições são pensadas com foco no artista e processos artísticos. Por serem espaços independentes, têm abertura para oferecerem a oportunidade de experiências criativas mais livres para os artistas e curadores, recebendo também residências e grupos de pesquisa. Selecionamos três, com histórias e propostas diversas e que retratam esse movimento de acolhimento de diferentes processos e manifestações artísticas na cidade.

 

Auroras

 1543255185-f46a28fe02d5082e5062f3e7afbfe5ecb6eb38d8

Antonio Dias no Auroras. Crédito foto: Ding Musa

 

De volta a São Paulo depois trabalhar com arte em Nova York, Ricardo Kugelmas transformou uma casa no Morumbi, propriedade de sua família, em lar e espaço de projetos artísticos. A casa de arquitetura modernista, projeto de Gian Carlo Gasperini, estava fechada há 10 anos. “Olhei para São Paulo e vi, de um lado, muitos imóveis subutilizados, de outro, artistas querendo espaços para realizar seus projetos. Tanta coisa que não acontecia por falta de articulação”, relembra. Assim, em 2016, nascia o Auroras. Cinco exposições acontecem por ano na área social da casa, enquanto Ricardo mora no andar superior. “Por acaso, tive o privilégio de ter essa casa. Decidi mostrar que exposições podem acontecer em qualquer lugar: em casas, em ateliês, na rua”, diz. 

 

1543329716-3b09f01e2b5a4eb4c31b607906154af7ef4980c0.jpg

Antonio Dias no Auroras. Crédito foto: Ding Musa

 

A proposta curatorial é misturar artistas brasileiros a internacionais e artistas consagrados a jovens, criando diálogos entre diferentes nacionalidades e gerações. A arquitetura e a atmosfera intimista, muitas vezes com o próprio Ricardo recebendo afetuosamente os visitantes, produzem uma experiência impactante para o público. “É um projeto radical. No Brasil, estamos sempre subindo o muro, reforçando portões. Eu tenho orgulho de estar fazendo o contrário, abrindo a porta da minha casa, onde eu moro, com as minhas coisas, para o público geral, para estudantes, para quem quiser”, diz. Cada exposição traz alguma obra à venda, cuja renda permite manter a enxuta estrutura em funcionamento. 

 

Auroras

Horário: Sábado, das 11h às 18h. Nos outros dias, com agendamento prévio

Endereço: Avenida São Valério, 426, Jardim Everest, São Paulo

Contato: info@auroras.art.br

Site: auroras.art.br

 

Casa do Povo

1543254263-2326eedbaec953ceeeb3af7495514ec0c9bae493

Casa do Povo. Crédito foto: divulgação

 

Em 1946, a comunidade judaica do Bom Retiro fundou uma associação sem fins lucrativos para homenagear as vítimas do nazismo e criar um espaço de consciência política e social. Em 1953, a Casa do Povo, projeto do arquiteto modernista Ernest Carvalho Mange, foi inaugurada. Desde então, suas salas receberam escola, teatro, biblioteca, reuniões, clubes, shows, cursos e outras atividades culturais. Na última década, um novo projeto curatorial reforçou a Casa do Povo como espaço de experimentação artística. “A Casa do Povo é um monumento vivo. Um lugar que homenageia as pessoas que morreram na Segunda Guerra Mundial, mas não por meio de um memorial histórico. 

 

1543329857-500271bf95e401648e4b4204c1f05d184ef437b7.jpg

ColetivA Ocupação, encontro de estudantes, artistas e performers na Casa do Povo. Crédito foto: divulgação

 

É um lugar vazio, que tem que ser preenchido por meio de ações”, explica Benjamin Seroussi, diretor. Sem programação fixa, acolhe projetos, grupos e iniciativas diversas. Antigo e muito utilizado, o prédio apresentas sinais de degradação. “Mesmo nesse estado um tanto precário, a Casa do Povo pode ajudar muitos projetos a serem potencializados. Até por essa característica de ser um espaço nunca acabado, sempre em construção. Não é uma ruína do passado, é uma ruína do futuro”, continua Seroussi. Cursos e grupos de estudos são atividades regulares da Casa do Povo. Há também obras comissionadas, em que a Casa do Povo convida artistas para desenvolverem trabalhos inéditos, adaptando sua estrutura. Independente de convite, projetos e propostas podem ser submetidos a avaliação. Atividades abertas ao público acontecem diariamente, a programação pode ser conferida no site. 

 

Casa do Povo

Horário: Terça a sábado, das 14h às 19h

Endereço: Rua Três Rios, 252, Bom Retiro, São Paulo

Contato: info@casadopovo.org.br

Site: casadopovo.org.br

 

Pivô

1543254399-7abc4646036f4d02e50873ae63e62056a802b802

Recepção do Pivô com intervenção do programa Hello Again, em que artistas convidados ou selecionados via edital criam projetos específicos para construir uma ponte entre a população do Centro de São Paulo e o Pivô. Crédito foto: divulgação

 

“Uma ruína em um dos prédios mais icônicos de São Paulo.” Assim Fernanda Brenner descreve como estava o espaço de 3.500 m2 no Copan, depois de 20 anos fechado, quando decidiu fundar ali o Pivô, em 2012. “Num esforço coletivo, devolvemos esse espaço ao uso público, na forma de um centro cultural dedicado a artes visuais, que atende, sobretudo, a comunidade artística”, conta Fernanda. O Pivô promove exposições, projetos comissionados, workshops e residências artísticas. 

 

1543330060-41522340af3743a6f55188741a261bfbe1598198.jpg

Pivo Pesquisa, programa de residências. Crédito foto: divulgação

 

Toda a programação é gratuita e aberta ao público. “Não é só uma sala de exposições, as exposições são a conclusão de longo percurso. O Pivô é um espaço onde a arte é feita e vivida em todas as suas etapas, da ideia ao encontro com o público na exposição”, explica a fundadora. O projeto curatorial valoriza experimentação e relações entre artistas de diferentes nacionalidades e gerações. “É um modelo pouco conhecido no Brasil. Não temos fins lucrativos, nem vendemos obras de arte. Precisamos de resiliência para continuar lutando para que esse espaço exista”, afirma Fernanda. O Pivô se mantem via leis de incentivo a cultura, aluguel do espaço para eventos e o anual leilão de parede, com obras de artistas que participaram do programa ou tem alguma relação com o espaço. 

 

Pivô

Horário: Terça a sábado, das 13h às 19h

Endereço: Avenida Ipiranga, 200, Edifício Copan, loja 54, Centro, São Paulo

Contato: contato@pivo.org.br

Site: pivo.org.br